Resenha: Meninas selvagens

Resenha: Meninas selvagens

Resenha 🌷⁣

#resenhameuromeo⁣

320 páginas //⁣ Rory Power // @galerarecord

Olá leitores, hoje trago a resenha do livro MENINAS SELVAGENS, que eu recebi em parceria com a Editora Galera Record.⁣

Há aproximadamente dezoito meses, a Escola Raxter tem sofrido uma transformação estranha. A princípio, somente as professoras foram atingidas, mas agora as alunas da escola também estão passando por transformações estranhas em seu corpo, o que levou à escola a entrar em quarentena.⁣

Ninguém pode sair dos limites da escola, pois pode ser perigoso.⁣

E então, a amizade de três alunas começa a ficar mais forte, a medida que essa doença misteriosa se alastra.⁣

Hetty, Byatt e Reese, tentam entender essas mudanças e o que está acontecendo de verdade, até que uma delas acaba desaparecendo.⁣

E então, Hetty tenta achar respostas sobre o que aconteceu com sua amiga, em torno de um colégio cheio de mistérios.⁣

🌷A história começa de uma forma muito interessante.⁣

Ainda mais agora que estamos passando por uma epidemia, o fato das meninas passarem por uma doença misteriosa e que não sabem o que de fato as ocasionou, nem o que ela pode fazer com elas, trouxe um pouco da nossa realidade.⁣

A princípio, eu fiquei super curiosa sobre como a autora desenvolveria a doença, bem como seus mistérios, porém, infelizmente acredito que a medida que a história foi fechando na metade final, ela acabou se perdendo.⁣

Como disse anteriormente, a ideia da história foi muito boa, mas infelizmente senti aquela sensação de “faltaram algumas páginas”.⁣

Achei o final corrido, sem muita explicação, e com algumas inconsistências na personalidades dos personagens que acabaram me deixando um pouco frustrada, já que achei a ideia inicial muito boa.⁣

Faltou um pouco de explicação sobre a doença, sobre os efeitos que ela ocasionava, bem como do que ela foi originada, e apesar de não achar que precisava ter explicações sobre a cura, o que eu esperava eram mais explicações sobre ela, até porquê ela está sendo estudada no decorrer da trama.⁣

Outro ponto que me incomodou e que até citei acima, foi que a personalidade das personagens mudou muito de repente, elas tinham uma forma de pensar, e em uma virada de página, parecia que tudo aquilo que elas pensavam, mudou sem uma explicação mais concisa.⁣

Não é um livro ruim, longe disso, mas tem estes pontos que me incomodaram.⁣

Eu sempre penso que a leitura é diferente pra cada pessoa, você só vai saber a sua opinião de fato, se ler. Então, mesmo com a minha opinião recomendo que leia e reflita sobre toda a história, até porque muitas vezes, você pode ter uma visão totalmente diferente da minha.

Resenha: Namorado Modelo

Resenha: Namorado Modelo

Resenha 🌷

#resenhameuromeo

378 páginas || Stuart Reardon e Jane Harvey-Berrick || @editorarecord

Olá leitores, hoje trago a resenha do livro NAMORADO MODELO, segundo livro da duologia Imbatível e que eu recebi em parceria com a Editora Record.

Após se aposentar do rugby com 33 anos, Nick Renshaw está um pouco perdido sobre o rumo que levará a sua vida.

Uma coisa ele tem certeza: sempre terá o apoio de sua namorada, Anna Scott.

Só que ele está um pouco depressivo, já que seus dias que antes eram totalmente voltados para o esporte agora são vazios, ele está totalmente “perdido”.

E quando um convite inesperado acaba surgindo, e uma nova profissão acaba tomando os seus dias, ele precisará ver se é isso o que ele quer, ou se às vezes o que tanto procura está bem ao seu lado.

🌷Confesso que quando eu comecei a ler esse livro, e vi já um casal de muitos anos de relacionamento (eles possuem 5 anos de namoro no início do livro), eu não sabia que este livro era na verdade uma continuação do primeiro.

Apesar de ser uma continuação, ele não me atrapalhou em nada na leitura, já que pareciam até histórias independentes.

A história é bem fluída…bem mesmo. Eu fui virando páginas sem parar, e nem percebia que já tinha lido tanto em tão pouco tempo.

Apesar de gostar das referências em relação ao esporte e ao mundo da moda, eu não consegui me conectar com o casal.

Não sei se talvez influenciada por não ter conhecido eles no primeiro livro, mas passei a leitura toda como se faltasse algo.

É difícil até explicar, mas em alguns momentos achei que faltava diálogo e emoção na história deles.

A realidade é que eu achava que um grande drama iria surgir na história, e criei essa expectativa, e quando não vi isso, fiquei um pouco chateada (e olha que nem gosto de drama), porque esperava uma grande reviravolta.

Eu ainda não conhecia a escrita dos autores, e apesar de achar a leitura bem rápida, a minha única crítica é que faltou mais emoção na história.

Apesar disso, o final foi bem fofo, e um grande destaque ao melhor amigo da mocinha, que sempre que aparecia trazia um tom alegre e bem humorado a história.

Então, se você já leu o primeiro livro recomendo ler a continuação da história, e se ainda não leu, acho interessante começar por ele, porque talvez tenha uma percepção diferente.

Enfim, espero que tenham gostado e que leiam para tirar suas conclusões.

Lançamento: International Guy: Londres, Berlim, Washington (Vol. 3)

Lançamento: International Guy: Londres, Berlim, Washington (Vol. 3)

51ciumnkgwl._sx334_bo1,204,203,200_

Lançamento

Audrey Carlan

Verus Editora


Sinopse: Mesma autora da série A Garota do Calendário, que vendeu mais de 670 mil exemplares no Brasil.

International Guy é a agência de Parker Ellis, um dos maiores especialistas do mundo em vida e amor, que tem como missão ajudar as mulheres em questões tão diversas quanto se sentir sexy e poderosas, aprender a administrar um império empresarial ou conquistar o homem dos seus sonhos.

Parker e seus dois sócios atendem mulheres ricas do mundo todo, como atrizes de Hollywood, membros da realeza e CEOs de multinacionais bilionárias. E, às vezes, eles não podem evitar que as coisas esquentem e vão parar na cama de suas clientes. Literalmente.

Parker adora sua vida de playboy e não está procurando compromisso. Afinal, há um mundo inteiro à sua frente: os negócios o levam de Paris a Milão, de Berlim ao Rio de Janeiro. Mas, conforme ele pula de cidade em cidade ― e de cama em cama ―, é possível que acabe encontrando mais que sexo ao longo do caminho…

No volume 3 da série, Parker viaja com Bo e Skyler até Londres para ajudar uma escritora best-seller a superar o bloqueio criativo. De lá a equipe vai para Berlim recriar a campanha de marketing de uma indústria automotiva ― mas uma surpresa os aguarda. O cliente final é uma farmacêutica que levará os executivos a Washington e os fará se envolver com ética e política, em uma negociação em que o poder e o dinheiro falam mais alto.

Resenha: O Sorriso da Hiena / Gustavo Ávila

Resenha: O Sorriso da Hiena / Gustavo Ávila

o sorrisso da hiena

Resenha

O Sorriso da Hiena 

Gustavo Ávila

304 páginas  || Verus Editora


Sinopse: É possível justificar o mal quando há a intenção de fazer o bem? Uma trama complexa de suspense e jogos psicológicos Atormentado por achar que não faz o suficiente para tornar o mundo um lugar melhor, William, um respeitado psicólogo infantil, tem a chance de realizar um estudo que pode ajudar a entender o desenvolvimento da maldade humana. Porém a proposta, feita pelo misterioso David, coloca o psicólogo diante de um complexo dilema moral. Para saber se é um homem cruel por ter testemunhado o brutal assassinato de seus pais quando tinha apenas oito anos, David planeja repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com a sua, dando a William a chance de acompanhar o crescimento das crianças órfãs e descobrir a influência desse trauma no desenvolvimento delas. Mas até onde William será capaz de ir para atingir seus objetivos? Em O sorriso da hiena, o leitor ficará fisgado até a última página enquanto acompanha o detetive Artur Veiga nas investigações para desvendar essa série de crimes que está aterrorizando a cidade.


 

“E foi assim que os olhos da sua mãe, que sempre conseguiram dizer tudo sem precisar de uma palavra sequer, silenciaram para sempre ao som de uma arma de brinquedo.”

 

Uma série de assassinatos ocorrem com muita crueldade. Neles, há sempre um padrão  específico onde o assassino deixa sempre tudo na cena do crime em perfeita comparação. Duas cadeiras ocupadas pelos pais enquanto a criança, filho das vítimas, ocupa uma terceira cadeira. O assassino corta a língua do pai e mata a mãe com um tiro na cabeça. A criança é deixada onde está sempre com um detalhe, uma certa preocupação do assassino com a criança.
Nessa história conhecemos o detetive Artur e o psicólogo William. O psicólogo é famoso por sua tese intitulada  “Como se formam os adultos” onde fala sobre as fases das crianças e o que acontece com sua índole dependendo de como foi sua criação (convívio familiar). A partir daí  William começa a se comunicar com o assassino que está aterrorizando a cidade e perturbando a policia que não consegue encontrá-lo, o assassino quer convencer William a ajudá-lo em uma pesquisa parecida com a tese tão famosa do psicólogo. Artur, o detetive excêntrico, está no meio disso tudo tentando encontrar o assassino. E um detalhe importante é que, o assassino, David, também teve seus pais mortos da mesma forma, quando ainda era uma criança.
Quando eu digo que este livro choca, acredite em mim. O autor fala de uma forma crua sobre a natureza humana. A forma como o enredo é desenvolvido, me prendeu do começo ao fim. O detetive Arthur fez toda a diferença na trama. O livro tem uma narrativa bem construída e detalhista que te deixa imerso na história (devo ressaltar que a escrita do Gus me lembrou muito o Raphael Montes), com aqueles personagens bem marcantes e uma trama muito bem construída. O final de O Sorriso da Hiena tem uma reviravolta digna os melhores suspenses policiais que vemos por ai.

 

 

“Sabedoria não tem nada a ver com idade, David. Tem a ver com o que o mundo te dá e o que você aprende com isso.”